O Roseiral do Ciclope e a Rosa

Todos já ouvimos dizer que, os Ciclopes das antigas lendas Gregas, eram uma raça de gigantes de força bruta e que tinham somente um unico olho no centro da testa.

Um dia, havía um Roseiral onde cresciam as mais lindas rosas jamais vistas. Contudo, havía um senão! O Roseiral era plantado e cuidado por um Ciclope.

 

 

Nem ele e nem ninguém, sabiam ao certo como ele, o Ciclope, se havía tornado um criador de rosas e nem de onde tinha ele vindo. Desde que se lembrava, sempre tinha estado a cuidar de rosas e fazía-lo como se fosse o dono, tanto do Roseiral e como das rosas, sem que ninguém das redondezas se atrevesse a questionar isso.

Todos, no entanto, se davam bem com Ciclope e o respeitavam, pois ele, ao contrário dos usualmente conhecidos Ciclopes de natureza bruta, era simplesmente um ser pacífico e um ser de elevada sensibilidade. Para além de cultivar rosas, cultuava-as tambem e tratava delas com carinho e ao pormenor, falando para elas e de forma individual. Fazia-o como se conhecesse a cada uma delas em particular. E, sempre que nascia uma nova, ele apressava-se a dar-lhe nome.

Ele dominava ainda, a arte do apuramento e do cruzamento de rosas, sobretudo, adquirindo constantemente para o efeito, rosas de diferentes estirpes a outros Plantadores de rosas, ou ainda, fazendo-o com as que, vez por outra, lhe eram oferecidas ou resultado de troca.

Aos poucos, foi criando novas estirpes, com perfumes distintos e novas côres e tonalidades diferentes e particulares. A mais bela de todas, brotou aos seus olhos, num momento em que estava há longo tempo a olhar para seu botão, como se já tivesse antecipado intuítivamente tal acontecimento. Sabia que, aquela, pelas rosas que havía usado neste particular cruzamento, sería uma rosa muito especial. Chamou-lhe Rosy, pois, não conseguiu imaginar outro nome.

Assim foi que, depois de anos e entre tentativas frustradas, lá havía conseguido cruzar uma rosa vermelha com uma branca. Nos primeiros intentos, a rosa que resultava, ou saía em tons mais claros ou mais escuros, em várias tonalidades de côr-de-rosa, ou, saía malhada, em vermelho e branco. Mas, desta vez, foi completamente diferente, a nova rosa era vermelha nas orlas, nas pétalas inferiores e junto ao caule, e branca, nas pétalas interiores centrais. A divisão das côres era nítida, de tal forma que, ele ficou tão entusiasmado com tal mágico momento do nascimento da nova e rara rosa, que passou dias quase sem dormir ou comer, olhando a rosa em quase total acto de veneração. O seu perfume era sublime e intenso, tambem.

De tanto olhar e de cheirar o perfume da rosa, começou a ter a impressão de se sentir teletransportado para algures. Em certos momentos, ía e vinha para locais que não conseguia reconhecer, de maneira breve e em actos sucessivos. Parecía decorrer tudo como se estivesse a viver um sonho. A Rosy, como era seu nome, parecía acompanhá-lo sempre para tais, a princípio, indistintos lugares, como se tivesse algo a ver com isso, fossem onde fossem. A determinado momento, aquilo que havía sido tão somente o eco do seu próprio pensamento, paraceu misturar-se com o eco de uma outra vózinha. No início, não acreditava que pudesse ser a Rosy que lhe tentava falar. Mas de tanto ouvir o rumor entrar em seu próprio pensamento e de se lhe misturar, logo começou a desconfiar que só podería ser ela, pois, só estavam presentes os dois em certas circunstâncias.

Até que, foi de arriscar fazer uma pergunta à Rosy: - Ou Linda Flôr, diz-me lá quem és tu? E serás tu quem me interrompe o pensamento com tuas palavras?

A Rosy respondeu num tom muito sensível e feminino: - Sou a rosa a quem chamas Rosy e sim, sou eu que te falo! Mas, qual a causa de tanta admiraçãode tua parte?

- Nunca se me passou pela cabeça que, uma rosa pudesse falar mesmo sem boca, através do pensamento -, Respondeu o Ciclope.

A Rosa voltou a falar: - Se calhar nunca se te passou pela cabeça, que nós rosas nos comunicamos entre si, à semelhanca do que acontece entre os outros sêres vivos, não sendo esta uma faculdade exclusiva de Ciclopes ou Humanos. Só, ainda não tinha experimentado comunicar contigo, porque não sabia se isso sería possivel e/ou se tu estarías preparado para tal e isso, para além do que vem a seguir! Pelo que consta, os Ciclopes são tidos como demasiado rudes, insensíveis e brutos, para que possam criar belas rosas. Mas tu, ao contrário, estás a provar que a sensibilidade e a delicadeza, tambem podem ser algo que se pode cultivar. Portanto aqui neste ponto, há algo de comum entre nós, ou seja, o processo do cultivo! Por isso, vou-te mostrar algo que nunca vivenciaste antes.

A partir daquele momento, tudo mudou, como haveríamos de ver mais adiante...

Enquanto tratava do Roseiral, o Ciclope sentia-se cada vez mais atraído pelo perfume exalado pela rosa branca e vermelha e frequentemente lembrava-se de seus dizeres. Isto, sem bem saber ainda, se acreditar ou não nisso, ou se, o que se estava a passar, não sería só produto de sua imaginação.

Depois de ter tratado das outras rosas com o carinho e cuidado habituais, chegou a vez da Rosy. Retirou-lhe as folhas secas dos ramos, borrifou-a ao deleve com água, olhou para ela e ao chegar o nariz mais perto dela, para apreciar mais profundamente o supremo perfume que dela saía, sentiu-se desta vez mais intensamente e de facto, transportado num turbilhão de luz e côres, para um outro lugar qualquer. Fechou os olhos, pois, ao mesmo tempo e enquanto deixava que o perfume lhe inundasse os sentidos, sentiu-se num relaxe profundo. Iniciou-se assim, uma intensa fase de viagens que já nem eram breve e nem breves, mas sim, astrais e que lhe permitiam teletransportar-se fisicamente para outros lugares distantes. Fosse para onde fosse transportado, a Rosy continuava a ir e lá estava sempre ao seus pés. Viajaram dessa forma, os dois, para inumeros locais, que mais pareciam tirados de uma fantasia ou de sonhos. Desta vez, os locais idílicos com belos jardins e quedas de água, cheios de verde vegetal por todo o lado, tanto aqui na Terra, como em outros, localizados em distantes Planetas habitáveis, situados em outras Galáxias, eram muito mais duradoiros e reais.

Após tantas idas e vindas e de muitas e multiplas aventuras vividas, numa bela ocasião, viajaram para um Planeta, onde aparentemente, os habitantes principais e mais evoluídos, eram precisamente os Ciclopes.

Então, ao lá chegarem, a Rosy exclamou: - Meu amigo e criador Ciclope, trouxe-te aqui, porque foi aqui onde tu tiveste a tua origem, e, como já estou quase a chegar ao fim de meu tempo de floração, não o quería deixar de fazer. Esta é a maneira como te agradeço, por me teres criado e por me teres cuidado com esmero e amor, ao longo de minha efémera vida. Esta, dependendo de tua opção, poderá ser uma de nossas ultimas viagens em comum. Contudo, antes do regresso à Terra, terás aqui uma missão especial para cumprir. Como vês, aqui não há Roseirais e nem rosas, visto que, os Ciclopes, assim como os Seres Humanos, sempre acreditaram serem aqueles primeiros, demasiado brutos para terem suficiente sensibilidade para as cultivar e para cuidar delas. Vamos ficar aqui os dois uns tempos, para que tenhas tempo para ensinar aos Ciclopes como eles o podem fazer. Mas, para os convenceres, só o poderás fazê-lo exemplificando-o, para os atraír e para assim, provar-lhes que se tu o podes fazer, eles tambem o poderão.

Uns meses depois, o Roseiral já estava montado e as primeiras rosas, cujas sementes a Rosy havía solicitado ao Ciclope para trazer consigo numa sacola, estavam agora a desabrochar e a florir. Entre as sementes escolhidas, havia algumas que pertenciam aos pés de rosa que melhores rosas perfumadas produziam lá na Terra. As restantes, eram de pés de rosas que, embora nao exalassem perfumes muito activos, atraíam pela sua variedade e vivacidade de tonalidades, que iam do preto, ao amarelo vivo, ao verde, ao tinto aveludado e a outras espantosas côres.

Nisto e aos poucos, os que por ali passavam perto do Roseiral, iam parando para olhar e para tentar identificar de onde vinha tanta combinação de perfumes, que enchiam o ar em redor. No início, é provavel que os Ciclopes não soubessem o que era um Roseiral ou uma rosa. Mas, à medida que iam passando a palavra uns aos outros, não tardou que em breve, Aldeias, Vilas e Cidades inteiras onde viviam os Ciclopes do Planeta Ciclope, fossem ficando curiosas e comentando sobre tal lugar, onde se havía radicado um misterioso Ciclope, que ninguem sabía de onde viera e comecara a plantar flores. Flores essas, de côres variadas e que exalavam um perfume quase magico, que atraía a todos os que passavam por lá. Os rumores começaram a ter tal intensidade que, chegaram aos ouvidos dos Reis dos vários Clãs de Ciclopes. Estes então juntaram-se em função disso e decidiram visitar o tal local das rosas. Lá postos, ficaram deveras admirados por ver um Ciclope como eles e com a mesma aparência bruta, mas que praticava modos comedidos e cuidadosos. Aquele recebeu-os de forma cordial e sua fala apresentava-se admiravelmente educada. Levou-os a ver cada uma das rosas do Roseiral e foi-lhes explicando sobre os processos de seus cultivos, tratamento e como se cruzavam as varias estirpes, para criar novas e cada vez mais belas e exóticas rosas. Algumas, que iríam atraír pela côr e outras, pela intensidade do perfume. Depois de todas as explicações e de verem a todas, chegaram finalmente à Rosy, a rosa branca e vermelha, ficando todos pasmados e de boca aberta, de tanto espanto. Queriam todos tocá-la, quase não acreditando que ela fosse real e que exalasse um perfume tão irresístivel. De um momento para o outro, viram-se a viajar num turbilhão de emoções, indo todos parar a um imenso jardim algures no Planeta Terra. Aparentava ser o Palácio de Versalhes, nos arredores de Paris, tendo-se deparado com um sem fim de canteiros com rosas de todas as côres e de cheiros perfumados que enchiam o ar. Era lindo demais de cortar a respiração...

Novamente, junto com seu amigo Ciclope, lá estava a rosa branca e vermelha a guiar os restantes. Nisso, a Rosy disse ao Ciclope, tendo os Reis Ciclopes tambem escutado: - Meu bom criador, agora que a tua missão parece estar a finalizar, e, a minha tambem, chegou a hora de levá-los a todos de volta ao Planeta dos Ciclopes e tu, podes optar em ficar ou em ir. Quanto a mim, poderei levar-te ao teu antigo Roseiral aqui na Terra, onde eu nasci às tuas maos, ou então, irás de vez comigo e com os Reis Ciclopes para o Planeta Ciclope, passando a viver ali até ao fim de teus dias. Eu, por minha vez, vou enfrentar a minha ultima viagem ao levá-los de volta ao Planeta Ciclope. Ali ficarei até ao meu definhamento e secagem completos, restando-me passar a ser uma referência para os Ciclopes, pois, tenho a certeza de que, depois de tudo o que viram na Terra, irão encher o Planeta Ciclope de Roseirais com belas rosas, e ainda, tambem, de muitas outras espécies de flores.

O Ciclope olhou para os Reis Ciclopes e perguntou-lhes, afim tentar obter deles a firme confirmação para o que havia dito a Rosy: - Majestades, o que ireis fazer no vosso regresso?

Em resposta, os Monarcas respoderam em uníssono: - Mestre Jardineiro, se vieres connosco, serás nosso Professor e, contigo a orientar-nos, iremos editar uma Lei, onde todos os Ciclopes deverão dedicar um pouco dos seus tempos a cultivarem Jardins, sobretudo Roseirais, em seus Quintais. Para comecar, iremos nós exemplicar tal acto, iniciando o plantio de Roseirais nas Pracas Publicas e em frente de nossos Pálacios. Será assim, partir de agora, um hábito Ciclope.

O Ciclope, regressou com os Reis Ciclopes ao Planeta Ciclope, onde iría assim, acompanhar a Rosy em seu definhamento final.

Dela, originaram-se sementes de novas rosas brancas e vermelhas, tão lindas e cheirosas quanto ela. Hoje, não há Jardim no Planeta Ciclope, que não tenha uma rosa branca e vermelha, como uma autêntica Rainha, no meio de outras rosas de outras côres e de outras flores...

Hoje, existem tambem em todos os Reinados e Clãs do Planeta Ciclope, uma estátua do Ciclope e da Rosy, que vieram da Terra, para ensinar aos Ciclopes, antes tidos como seres brutos e insensíveis, a serem seres atenciosos e mais sensíveis, tanto no plantio de Jardins, como no trato de uns para com os outros...

 

Nota: Escrito a 25 de Dezembro de 2012, em, por, por ocasião do Natal e em homenagem ao espírito da Paz e Luz Natalinos...

 

Luanda, Angola

Cadastre-se

Pessoas Online

Temos 46 visitantes e Nenhum membro online